A Volkswagen apresenta na noite de terça-feira, 30 de junho, a reestilização de meia-vida para atual geração do Tiguan.

Por enquanto, o SUV médio renovado apareceu apenas na configuração mais curta, com 2,68 m de entre-eixos, conforme é vendido na Europa.

LEIA MAIS:
SUV da Toyota: novo Corolla Cross terá dianteira inspirada em Hilux e C-HR
Aprenda a consultar a sua carteira pela internet em 2020
Novos carros, SUVs e picapes que serão lançados ainda em 2020

Em breve, a variante Allspace, vendida nos EUA e que também é importada ao Brasil, do México, com 2,79 m nessa mesma dimensão e capacidade para até sete passageiros, deve receber atualizações semelhantes.

Confirmando flagras dos últimos meses, o novo Tiguan ganhará uma dianteira com faróis inspirados no Golf 8 (com leds matriciais nas versões de topo) e grade cujo desenho remete aos nossos T-Cross e Nivus.

A traseira mudou pouco, mas recebeu guias de led nas lanternas e novo desenho para a base do para-choque, incluindo duas falsas saídas de escape.

Por dentro, destaque para o volante e a central multimídia MIB 3, ambas vindas do Golf, com comando de voz inteligente, tela de alta resolução de 8 ou 9,2 polegadas, projeção sem fio de celulares Apple e internet a bordo.

Porém, no comparativo com o nosso VW Nivus, o sistema parece até sair perdendo: além da tela menor (o VW Play possui 10,1 polegadas), o sistema MIB 3 não possui uma central de aplicativos, enquanto o Nivus promete permitir até que se peça comida pelo carro via iFood.

Aliás, o quadro de instrumentos 100% digital do novo Tiguan passa longe de surpreender donos de Polo e T-Cross Highline nacionais.

Mas o novo Tiguan tem seus atributos de destaque, como o ar-condicionado operável em telas táteis de LCD, a projeção luminosa do nome do modelo ao abrir as portas dianteiras, o teto solar panorâmico e a iluminação ambiente colorida no painel e nas portas.

Nas versões de topo, terá leds matriciais com 24 pontos e assistente inteligente, capaz de ajustar automaticamente a altura e a intensidade dos fachos de luz.

E, como opcional, trará um pacote de assistências semiautônomas com piloto automático adaptativo que identifica mudanças de relevo e funciona sem as mãos do motorista ou necessidade de se acionar freios ou acelerador.

Este sistema integra, como já seria de se esperar, frenagens automáticas anticolisão e auxílio à permanência em faixa. Algumas de suas funções são capazes de operar a velocidades até 210 km/h.

Outra novidade está na chegada de uma versão híbrida plug-in, a primeira a compor a gama do SUV.

Chamada de eHybrid, ela está no plano de eletrificação da VW para o Brasil até 2023.

Seu conjunto motriz é o mesmo do novo Golf GTE e inclui um propulsor 1.4 TSI a gasolina de 150 cv auxiliado por outro elétrico de 115 cv. A potência combinada é de 245 cv.

A bateria, de 13 kWh, permite uma autonomia de até 50 km (ciclo WLTP) em modo 100% elétrico. Tal versão ainda inclui os modos de condução Hybrid (focado em eficiência) e GTE, que aflora seu caráter mais esportivo.

Falando em esportivo, o facelift do Tiguan também marca a estreia da versão R, usando o mesmo propulsor 2.0 quatro-cilindros TSI do Golf R, porém preparado para chegar a 320 cv.

Tal configuração conta com tração integral dotada de diferencial central para distribuição e vetorização eletrônicas de torque. Em modo Race, acionado por um botão “R” no painel, o controle de tração fica totalmente desligado.

Nesta versão, o Tiguan também conta com controle dinâmico de chassi, suspensões 1 cm mais baixas, rodas aro 21 (nas demais versões, vão de 17 a 20 polegadas), logotipo R na grade e escapamento esportivo Akrapovic (opcional).

Por dentro, traz borboletas esportivas para troca de marchas, volante e telas digitais do painel estilizados, acabamento imitando fibra de carbono e pedais com metal escovado.

Até a iluminação de boas vindas das portas ganha a letra R para deixar bem claro ao dono em qual versão ele está entrando.

Já as opções convencionais do novo Tiguan devem seguir usando motores 1.5 ou 2.0 TSI, além de versões TDI (turbodiesel). A chegada do SUV renovado aos mercados europeus está prevista para setembro deste ano.

No Brasil, o novo Tiguan Allspace não aparecerá antes de 2021, mas podemos esperar também pela chegada da variante híbrida. Ainda não está certo se teremos por aqui o vindouro Tiguan Coupé.

Via: Quatro Rodas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here